Traumatismos vértebro-medulares


As lesões vertebro-medulares são situações graves que influenciam dramaticamente a qualidade de vida de uma vítima, podendo mesmo ser fatais nas lesões altas da coluna cervical, exigindo portanto o máximo de cuidado e perícia na sua manipulação.Simulam como que uma amputação abaixo da área lesada ao cortarem a comunicação entre o cérebro e a periferia. A actuação Pré-Hospitalar nas lesões vertebro-medulares passa basicamente pela prevenção do aparecimento ou agravamento das lesões existentes.

► O diagnóstico deste tipo de lesões é inicialmente um diagnóstico de suspeita, que deve ser ponderado sempre que se está perante uma vítima de:
- Acidentes de viação;
- Acidentes de mergulho;
- Quedas ou saltos de altura superior à da vítima;
- Traumatismo acima das clavículas;
- Soterramento;
- Choque eléctrico;
- Agressão por armas de fogo;
- Agressão por armas brancas;
- Politraumatismo;- T.C.E. nomeadamente com inconsciência;
- Traumatismo directo sobre a coluna.
► Tipos de lesões vertebro-medulares

Variam em conformidade com o mecanismo da lesão. Em alguns casos a lesão existente pode não dar de imediato sintomatologia que nos indique a existência de uma lesão, podendo estes surgir mais tarde. O que obriga na maior parte dos casos que a actuação seja sempre com base no mecanismo de lesão e não na sintomatologia apresentada. Na observação de uma vítima torna-se fundamental assegurar os seguintes aspectos:
- A vítima foi mexida (por quem)?
- A vítima mexeu-se ou moveu-se após o acidente (75% dos doentes dentro deste grupo recuperam a sua função normal)?
- Se os sintomas se alteram, o que significa que estamos perante uma situação em evolução, o que pode ser melhoria ou agravamento do quadro inicial.
Sinais e sintomas:
- Dor local permanente ou à palpação da coluna;
- Parestesias (dormência das extremidades);
- Alterações da sensibilidade a nível dos membros;
- Diminuição da força muscular ao nível dos membros;
- Paralisias dos membros (impossibilidade de se mobilizar);
- Incontinência de esfíncteres;
- Alteração dos parâmetros vitais;
- Dificuldade ou paragem ventilatória;
- Pulso fraco e fraco no caso de hemorragia associada. Pulso lento no caso de interrupção da comunicação das fibras nervosas entre o cérebro ou a espinal-medula e o coração. Assim, é possível nesta circunstância existir hipotensão arterial e choque numa vítima que apresente um pulso lento (bradicardia);
- Hipotensão, ocorre por alteração do tonús dos vasos, uma vez que ocorre interrupção da comunicação entre o cérebro e periferia.
Estas vítimas podem apresentar sinais e sintomas de choque sem a palidez que caracteriza o choque.
Actuação:

O tratamento Pré-Hospitalar dos traumatismos vertebro-medulares passa basicamente pela prevenção do agravamento das lesões sofridas.
É importante ter a noção que podem surgir lesões secundárias por falta de oxigénio e hipotensão ou mobilização intempestiva. O objectivo fundamental é pois impedir que a vítima se mova, mantendo um perfeito alinhamento da coluna (nariz, umbigo e pés) que passa basicamente pelo cumprimento de algumas regras fundamentais na abordagem destas vítimas:
► Todas as vítimas inconscientes após acidente deverão ser tratadas como traumatizados vertebro-medulares.
- Manter uma atitude calma e segura;
- Iniciar o exame da vítima cumprindo os passos ABCDE;
- Administrar O2 a 10lt/min;
- Garantir desde o primeiro momento a tracção, alinhamento e imobilização da coluna cervical atitude que nunca deve ser abandonada. A utilização de um colar de 4 apoios torna-se fundamental;
- Estas vítimas nunca devem ser mobilizadas excepto se houver perigo de vida no local onde se encontram (desabamento, explosão, fogo, etc.) ou se houver necessidade de iniciar manobras de suporte de vida;
- Optar sempre por manobras que garantam a estabilização e alinhamento da coluna vertebral;
- Avaliar, registar e vigiar os sinais vitais;
- Recolher o máximo de informação sobre o mecanismo do trauma e sobre a vítima recorrendo à nomenclatura CHAMU;
- Efectuar a observação sistematizada de modo a detectar eventuais lesões associadas;
- Imobilizar a vítima em Maca Estabilizadora de Vácuo ou plano rígido com imobilizador de cabeça. Nas vítimas encarceradas ou de acidente de automóvel deve recorrer à utilização de colete de extracção. O colar cervical é sempre obrigatório.
- Manter a vitima aquecida;
- Transporte calmo e suave evitando trepidação.

Sem comentários: